Como diagnosticar Esporotricose em gatos

De todas as doenças que atingem os gatos, pode-se dizer que a esporotricose é uma das mais sofridas. Por isso, a importância de manter seu gato dentro de casa num local limpo e seguro e, principalmente, levá-lo sempre ao veterinário.

No artigo de hoje saberemos:

  • O que é esporotricose em gatos.
  • Como diagnosticar e,
  • Como evitar a contaminação.

A esporotricose é um problema de todos! Começando pela população e indo até aos gestores de saúde, então, não saia daí e saiba mais sobre essa doença que engloba gatos e humanos.

Boa Leitura!

O que é esporotricose em gatos?

Uma infecção causada pelo fungo “Sporothrix schenckii” que forma lesões na pele, criando pequenas feridas que aumentam de acordo com a evolução. O fungo pode ser encontrado no solo, árvores, madeira, e principalmente, em locais quentes e úmidos. Por isso, o Brasil é um dos países mais predispostos ao surto da doença.

O Rio de Janeiro é o estado com mais casos de esporotricose, inclusive, foi devido a isso que em 2013 a doença foi considerada uma questão de saúde pública. No período de 1998 a 2004 foram notificados 2326 casos, sendo 759 em humanos.

Entretanto, o problema não é exclusivo do RJ, em São Paulo entre os anos de 2011 e 2018 foram registrados 968 ocorrências.

Quais os sintomas da Esporotricose em gatos.

A esporotricose em gatos acontece em 3 fases:

  1. Cutâneo Fixo: Feridas menores que atingem cabeça, cauda, olhos e boca. Semelhantes a lesões de brigas.
  2. Linfoma Cutâneo: Conforme a progressão da doença, o sistema linfático é afetado, ou seja, o sistema de defesa contra bactérias se torna vulnerável e com isso, não permite que as feridas sejam cicatrizadas.
  3. Extracutânea: Aqui todo o organismo fica comprometido, incluindo órgãos internos como fígado, baço, intestino e pulmão.

E ainda, em casos mais graves o animal pode apresentar:

  • Febre
  • Fraqueza
  • Emagrecimento
  • Desidratação

E quando apresentado problemas respiratórios, o óbito torna-se inevitável, sendo necessário inclusive, a cremação do animal para que o vírus não se espalhe através do solo.

Prevenção

Primeiramente, é importante que o governo invista em ações de controle para o tratamento e diminuição da doença, porém a população também precisa fazer a sua parte.

De acordo com a Pesquisa Veterinária Brasileira, no ano de 2017, foi feito um estudo com 100 animais: 66% dos analisados foram testados positivo para esporotricose, sendo, 69% machos não castrados.

Conforme o estudo, foi observado que os machos têm uma tendência maior a contraírem a doença devido ao fácil acesso à rua e a brigas com outros gatos, seja por território ou pela fêmea.

Por isso, é importante a castração nos primeiros meses de vida — recomenda-se a partir dos 3 meses — mantê-lo protegido dentro de casa, de preferência, sem outros gatos e também, telas em portas e janelas.

Além disso, por conta do fungo ser encontrado também na terra é importante que, ao ter contato com o solo faça-se o uso de luvas, bem como, quando se tratar do animal doente.

Neste artigo descobrimos o que é a esporotricose em gatos e vimos que ele é um problema que atinge animais e humanos e por isso no ano de 2013 foi considerado um problema de saúde pública.

Vimos que as principais causas de contágio são por meio da terra e também pelo envolvimento de brigas com outros gatos infectados. Sendo a castração, a melhor prevenção.

A esporotricose em gatos tem 3 fases que vão desde, a pequenas lesões equivalentes a arranhões até o comprometimento total dos órgãos internos como pulmão.

O Lilicão conta com veterinários 24 horas, todos os dias da semana para manter a saúde e bem-estar do seu pet e ainda, laboratórios, internações, farmácias e cirurgias.

Acesse aqui e conheça todas as nossas especialidades

Gostou desse artigo?

Então, não deixe de nos visitar e compartilhar com seus amigos.